Vitor César

carta-vitor-cesar_page_1_1420px carta-vitor-cesar_page_2_1420px carta-vitor-cesar_page_3_1420px carta-vitor-cesar_page_4_1420px carta-vitor-cesar_page_5_1420px carta-vitor-cesar_page_6_1420px carta-vitor-cesar_page_7_1420px


Vitor-CesarFortaleza 1978. Vive em São Paulo. Desenvolve propostas que procuram constituir noções de público através de dinâmicas da vida cotidiana por meio de exposições, trabalhos gráficos, debates e outros projetos. Estudou Arquitetura e Urbanismo na UFC (Fortaleza, 2003), participou do grupo de estudos do Alpendre (Fortaleza, 2002), e desenvolveu dissertação de mestrado em Poéticas Visuais pela ECA/USP (São Paulo, 2009). Co-organizou o projeto Arte e esfera pública [com Graziela Kunsch, por meio do edital Conexão Artes Visuais – Minc/Funarte (2008). Trabalha desde 2005 no projeto Basemóvel – com edições desenvolvidas para o núcleo experimental de educação e arte do MAM-RJ, e o educativo do Instituto Tomie Ohtake.

Entre as exposições destacam-se: Anfibologia, tradução, Galpão VB (São Paulo, 2016); Playgrounds [como parte do Grupo Inteiro], MASP (São Paulo, 2016); Descrito como real [com Enrico Rocha], Centro Cultural São Paulo (São Paulo 2016); Anfibologia, reciprocidad, Museu experimental El Eco (Cidade do México, 2013); A parte que não te pertence, Kunsthaus Wiesbaden (Alemanha, 2014); 33 Panorama da Arte Brasileira: P33 – Formas únicas da continuidade no espaço, Museu de arte Moderna (São Paulo, 2013); 8ª Bienal do Mercosul: Ensaios de Geopoética (Porto Alegre, 2011). Realizou residência no programa Videobrasil em contexto, Ujazdowski Castle (Varsóvia, 2015), Capacete (Rio de Janeiro, 2010) e MuseumsQuartier (Viena, 2006). Desenvolveu proposição gráfica do XI SITAC (Cidade do México). Atualmente é professor na Escola Entrópica, Instituto Tomie Ohtake.


Fortaleza 1978. Lives in São Paulo. Develops proposals seeking to constitute public notions through the dynamics of everyday life via exhibitions, graphic works, debates and other projects. He studied Architecture and Urbanism in the UFC (Fortaleza, 2003), participated in the study Alpendre (Fortaleza, 2002), and developed a master’s thesis in Visual Poetics at ECA / USP (São Paulo, 2009). Co-organized the art project and the public sphere [with Graziela Kunsch, through the program Conexão Artes Visuais – Minc / Funarte (2008). Works since 2005 in the Basemóvel project – with issues developed for the experimental core of education and art of MAM-RJ, and the education core of the Institute Tomie Ohtake.

Among the exhibits are: Amphiboly, translation, Galpão VB (São Paulo, 2016); Playgrounds [as part of the O Grupo Inteiro], MASP (São Paulo, 2016); Described as real [with Enrico Rocha], Centro Cultural São Paulo (São Paulo 2016); Amphibology, reciprocity, experimental Museum El Eco (Mexico City, 2013); The part that does not belong to you, Kunsthaus Wiesbaden (Germany, 2014); 33rd Panorama of Brazilian Art: P33 – Unique Forms of Continuity in Space, Museum of Modern Art (São Paulo, 2013); 8th Mercosul Biennial: Ensaios de Geopoética (Porto Alegre, 2011). Was a resident in Videobrasil’s program “in context”, Ujazdowski Castle (Warsaw, 2015), Capacete (Rio de Janeiro, 2010) and MuseumsQuartier (Vienna, 2006). Developed graphical proposition XI SITAC (Mexico City). He is currently a professor in the School Entropic, Tomie Ohtake Institute.


http://new.vitorcesar.org


Anúncios

Deixe um comentário | Leave a comment

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: